Matéria Miniaturas Ninibin no Guia dos Curiosos

Abaixo, parte da matéria escrita pelo jornalista e “louco por futebol” Marcelo Duarte ao site Guia dos Curiosos. Divulgação bem legal, citando a Ninibin como representante brasileira no cenário de “minicraques” e bonecos ligados ao futebol. Indicamos tanto o site quanto a matéria, muito bacanas!

“… Apesar de os bonequinhos não terem muito mercado no Brasil, também temos nosso representante na área de fabricantes de miniaturas. Tal papel cabe à empresa gaúcha Ninibin, fundada em dezembro de 2008 pelo empresário Rafael de Albuquerque, de 28 anos. O primeiro boneco produzido foi de Guiñazu, ídolo do time do Internacional que, naquele período, disputava o título da Copa Sul-Americana. Ao Blog do Curioso, Rafael contou qual era sua motivação inicial. “Minha motivação inicial era criar o que eu sempre quis ter na infância e não tive: bonecos dos jogadores que eu admirava para brincar de várias formas”, relembra. Atualmente, conta com 50 modelos de miniaturas em seu catálogo. Aqueles de maiores proporções, que medem 18 cm, como Dinho (Grêmio), Raí (São Paulo) e Figueroa (Internacional), custam 49,90 reais, enquanto os menores, de 8 cm, são vendidos por 24,90. Além destes produtos citados, a Ninibin (acesse o site da empresa) também comercializa figuras articuladas, mais focadas no público infantil.

Sobre o fato de as miniaturas não serem tão populares no Brasil, Rafael tem sua opinião. “A realidade é que o Brasil ainda não tem a cultura das miniaturas como os EUA e, até mesmo, a Argentina têm, por exemplo. Aqui, uma miniatura vai vender muito se o jogador em questão estiver no auge da sua forma, ainda depende muito de fase, é mais passional”, avalia. Outro fator de dificuldade apontado por ele é aquele relativo ao fato de os jogadores ficarem pouco tempo em um clube, o que torna cada vez mais complicado assinar contratos de licenciamento. Mesmo assim, ele não perde o otimismo. Acredita que, com a evolução das redes sociais e com a Copa do Mundo no Brasil, os colecionadores e seus bonequinhos conseguirão um maior espaço, tanto na mídia quanto no mercado.”

Para ler a reportagem completa, segue o link: http://guiadoscuriosos.com.br/blog/2014/01/22/lembra-dos-minicraques-da-coca-cola/